Pedido de Música

Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Retorno de aulas presenciais é rejeitado pela população - Rádio Itay 88 FM

Retorno de aulas presenciais é rejeitado pela população

O Comitê Volta às Aulas, criado pelo governo estadual, apresentou recentemente o protocolo de retorno às aulas presenciais no Paraná. O plano prevê modelo de ensino híbrido, com aulas remotas e presenciais de forma escalonada, e a volta gradual por faixa etária dos estudantes. O governo não divulgou a data do retorno e informou que a retomada das aulas precisa ser autorizada pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). Apesar disso, em entrevista à RPC, o diretor-geral da Secretaria de Estado da Educação (Seed), Gláucio Dias, disse que as aulas presenciais podem voltar em setembro.

Questionamos a secretária de educação e cultura de Tibagi, Ana Elis Gomes, para saber a posição do setor com relação ao protocolo. “A Secretaria Municipal de Educação e Cultura está aguardando as resoluções do Estado para a volta as aulas, mas também quer escutar o Conselho Municipal de Educação, pais e a professores sobre o assunto. Nenhuma medida será tomada sem a concordância de todos em relação ao tema. Acreditamos que é um assunto muito delicado e que envolve a saúde física e mental de nossas crianças e também de seus familiares”, respondeu a secretária.

A Secretaria de Estado da Educação do Paraná (Seed) lançou uma pesquisa on-line para ouvir os pais e responsáveis de alunos da rede estadual de ensino e mais 70 mil profissionais da Educação a respeito do retorno às aulas. Em uma enquete realizada pelo G1, para saber se os pais pretendiam levar os filhos para a escola a partir de setembro, 90,78% das pessoas responderam que não levariam. Para Solange Pacheco Rosa, mãe de quatro filhos que estudam na rede municipal e estadual, a ideia de mandar as crianças à escola é irresponsável. “Na minha opinião como mãe, prefiro que meus filhos fiquem em casa, porque ainda há risco de serem contaminados. Em casa estamos protegendo melhor, eles não sabem se cuidar sozinhos”, disse.

Para Emily Marks, de 12 anos, estudante do sétimo ano no Colégio Integração, o ensino a distância apresenta controvérsias. “É muito mais difícil aprender assim, porém não é impossível. O Ead nos faz muita pressão e em casa temos mais ainda. Os professores são bem comprometidos, porém, passam atividade em excesso. A quantia de atividades que eu estou fazendo nas aulas on-line, não chega nem na metade do que eu fazia nas aulas presenciais. Nós não iremos aprender nada dessa forma”, afirmou.

Ainda de acordo com a estudante, o retorno das aulas presenciais é inviável. “Não seria ideal que elas voltassem agora, já que ainda não temos vacina e os casos continuam subindo. Escolas não são apenas feitas pra estudar, por mais que essa seja o intuito principal, também são lugares de convivência”, completou.

Na opinião da professora Elisângela Cordeiro, as escolas não apresentam condições de garantir o bem estar dos alunos e funcionários. “Eu sou contra a volta as aulas nesse momento, porque as escolas não tem recursos para conseguir proteger todos os alunos e professores. Os professores estão sendo esquecidos, falam da distância do aluno, do equipamento do aluno e os professores? Nós não temos como corrigir um caderno, como ensinar mais próximo de um aluno, sem correr riscos. Nós também não temos controle sobre os alunos, não tem como impedir eles, então eu acho muito difícil que a escola dê conta”, alegou.

Desde o dia 20 de março, as aulas presenciais estão suspensas no Paraná. As atividades estão sendo realizadas via internet com a participação de professores e uma equipe preparada para seguir com o ensino à distância.

Texto: Isabel Aleixo

Imagem retirada da internet

Deixe seu comentário:

Desenvolvido por Anderson Lucas © 2019 - Todos os direitos reservados a Rádio Itay 88FM